Notas & Reflexões

Expedição Langsdorff: aventuras dos viajantes do século XIX

segunda-feira, 12 de julho de 2021

Em busca de conhecer os costumes dos povos nativos e de amostras da fauna e da flora do interior do Brasil os viajantes percorreram ao todo quase 17 mil quilômetros entre 1821 e 1828

"Passagem da cachoeira chamada Misericórdia e chegada no dia seguinte pela manhã em São Florêncio, uma das maiores das paragens. Acima, uma ilha arborizada a divide em dois braços e termina abaixo numa bela praia onde estamos comodamente acampados." Foi assim que o artista viajante Hercule Florence (1804-1879) descreveu sua passagem pela Cachoeira São Florêncio, no Amazonas, no livro L’Ami des Arts Livré à Lui-Même, diário sobre sua vida e obra, onde também escreveu sobre sua participação como desenhista na Expedição Langsdorff na seção Voyage Fluvial du Tiété à l’Amazonie.

+ Faça o download da transcrição e do fac-simile do L’Ami des Arts Livré à Lui-Même

l'ami des arts
"Voyage Fluvial, du TiétÉ à l'Amazone, par les Provinces Brésiliennes de Dt. Paul, Matto-Grosso, etx Gram-Pará."  FLORENCE, Hercule - [Página 197 do manuscrito L'Ami des arts  livré à lui-même...] - 1837-1859 - Tinta ferrogálica e lápis sobre papel - 30,6 x 21,0 cm - Coleção Instituto Hercule Florence (São Paulo) - Foto Heitor Florence

Uma das mais importantes incursões científicas realizadas no Brasil no século XIX, a Expedição Langsdorff foi patrocinada pelo Império Russo e encabeçada pelo barão Georg Heinrich von Langsdorff, médico e naturalista alemão naturalizado russo e cônsul da Rússia no Império do Brasil.

A audaciosa viagem foi realizada em duas etapas: uma terrestre (1821-1825) e outra fluvial (1825-1828), que percorreu mais de 13 mil quilômetros pelos Estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Grão-Pará, a maior parte navegando pelos rios Tietê, Paraná, Paraguai, Tapajós e seus afluentes.

+ Confira o Mapa da Expedição Langsdorff

Para o primeiro trecho da aventura, Langsdorff contratou um artista, o alemão Johann Moritz Rugendas, além de cientistas como o botânico Ludwig Riedel, o astrônomo Ne´ster Rubtsov e o zoólogo e linguista Édouard Ménétries.

Entretanto, as constantes brigas com o chefe da missão, fizeram com que o Rugendas abandonasse o grupo e trilhasse seus próprios caminhos nas terras brasileiras. Para a segunda etapa da viagem, que partiu do Rio de Janeiro em 3 de setembro de 1825, Rugendas foi substituído por dois artistas: Hercule Florence e Aimé-Adrien Taunay (filho de Nicolas-Antoine Taunay).

Expedição Langsdorff
"A 3 de setembro de 1825, partimos do Rio de Janeiro. Um vento fresco ajudou-nos a vencer, em 24 horas, a travessia de 70 léguas, até Santos [...]."  FLORENCE, Hercule -  1 Pain de Sucre. 2. Corcovado. 3. Montagne de Gouveia. [Desenho do Carnet de dessins] -  [1825] -  Aguada sobre papel -  19,3 x 24,7 cm -  Coleção Bibliothèque Nationale de France (Paris)

Mais de 13.000 km foram percorridos no segundo trecho da viagem, passando pelos Estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Pará (a maior parte navegando pelos rios Tietê, Paraná, Paraguai, Tapajós e seus afluentes).

Durante essa etapa, em janeiro de 1828, o jovem desenhista, de apenas 25 anos, Taunay, ao tentar atravessar a nado o rio Guaporé, na antiga Vila Bela (atual Rondônia), foi levado pela corredeira. Langsdorff também não escapou ileso. À beira do Juruena, contraiu malária e, em maio de 1828, começou a apresentar sinais de loucura.

+ Leia também: Langsdorff: amnésia e transtorno mental

Após o retorno dos viajantes para o Rio de Janeiro, Langsdorff regressou à Europa. Grande parte do material produzido durante a expedição foi reunido por Hercule Florence e enviado para a Rússia. Manuscritos, desenhos, aquarelas, mapas, espécies minerais, herbários, animais empalhados, registros de línguas indígenas e correspondências. Também fazem parte deste acervo os diários de Langsdorff, que revelam detalhes sobre os costumes e a língua de tribos como os Apiacás, Mundurucus e Guanás, estes, registrados por Florence.

O material permaneceu esquecido na Academia de Ciências de São Petersburgo até serem descobertos, por acaso, um século depois, em 1930. Os manuscritos dos diários de Langsdorff foram traduzidos e publicados, pela primeira vez, em 1998.

expedição langsdorff
FLORENCE, Hercule - [Detalhe da página 391 do manuscrito L'Ami des arts  livré à lui-même...] - 1837-1859 - Tinta ferrogálica e lápis sobre papel - 30,6 x 21,0 cm - Coleção Instituto Hercule Florence (São Paulo) - Foto Heitor Florence 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
ACEITAR
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
ACEITAR